terça-feira, 12 de outubro de 2010

Dois rios majestosos e a mesma sentença

As bacias do São Francisco e do rio Negro têm, ambas, dimensões semelhantes em área ocupada; o São Francisco possui cerca de 640.000 km2 e percorre cinco estados: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe; o rio Negro possui área aproximada de 700.000 km2 e percorre parte do noroeste do Amazonas; sua bacia, porém, banha também o estado de Roraima e avança pelos países da Guiana, Venezuela e Colômbia. Mas suas semelhanças terminam aí.

Enquanto a bacia do São Francisco possui uma população de cerca de 15 milhões de habitantes, a bacia do rio Negro não chega aos dois milhões; e quase a totalidade de seus habitantes está nas cidades de Boa Vista e de Manaus, na foz do rio Negro, onde suas águas se misturam, lentamente, às águas do Solimões, formando o gigantesco rio Amazonas. O rio Negro é o maior afluente da margem esquerda do Amazonas e o maior de todos os seus afluentes em volume de águas.

Enquanto o rio São Francisco possui cerca de 150 afluentes, o rio Negro tem mais de 700 tributários, sem contar os mais de 8.000 igarapés que formam uma das maiores cadeias de cursos dágua do planeta. Em suas terras, a bacia do rio Negro abriga uma população de mais de 80.000 indígenas, em quase 1.000 aldeias, com mais de 80 etnias, e falando dezenas de línguas e suas variações ou dialetos!

A coloração do rio Negro, de águas cor de chá preto, é devida ao tanino retirado dos compostos orgânicos da imensa floresta que ainda sobrevive, quase intacta, em seus territórios, ao contrário da vegetação quase moribunda do São Francisco. As terras do rio Negro não são ricas em nutrientes, como as do Velho Chico, mas o respeito da população indígena pela Natureza ajudou a preservar, durante séculos, essa imensa riqueza das florestas, presentes em grande parte de seu território.

Ao contrário do que muitos pensam, a presença humana na região do rio Negro remnta a mais de 3.000 anos, mesmo com o terrível genocídio perpetrado pelos colonizadores e pelos Salesianos a partir do século XVI. Já foram identificados vestígios dessa época, de uma civilzação inteligente na região de Iawaretê, na fronteira com a Colômbia, e os estudos ainda prosseguem.

No entanto, a triste notícia é que a civilização ocidental, que tantos males já causou aos indígenas, únicos e verdadeiros habitantes originários das Américas, essa civilização que se julga tão avançada e inteligente, continua a destruir culturas e povos indígenas com seus hábitos daninhos: caça e pesca predatórias, consumo de drogas, ingestão de bebidas alcoólicas em índices absurdos, e degradação ambiental em todos os níveis.

Acreditava-se que o rio Negro seria eterno em sua beleza e prosperidade. No entanto, as populações indígenas hoje passam fome e carecem da ajuda dos invasores brancos para sobreviver, pois estes, em sua ânsia pelo lucro indiscriminado, faz os indígenas se esquecerem de suas próprias crenças, adotando as "religiões" ocidentais; torna-os dependentes da cachaça, em lugar de sua inofensiva bebida, o caxiri; torna-os ambiciosos e competitivos, eliminando a harmonia que os mantinha como "parentes", independentemente de suas etnias; permite que os brancos os escravizem em dívidas contraídas em "trocas" injustas de mercadorias valiosas por bugigangas ocidentais; e destroem seus lugares sagrados, fazendo-os se esquecerem de suas tradições, de seus valores e de suas origens ancestrais.

São dois rios que demonstram a inviabilidade da vida no modelo ocidental, capitalista, "desenvolvimentista" a qualquer custo. Ambos condenados à morte; porém um, o Velho Chico, já moribundo e decadente, aguarda apenas o golpe de misericórdia, enquanto o outro, o majestoso rio Negro, ainda floresce na magnificência de suas matas repletas de vida, mas consciente de que sua sentença não será menos cruel: a morte de suas populações indígenas será também a sua morte, pois não há como separar a vida do rio e da floresta da vida de seus generosos habitantes, simples em sua maneira de viver, econômicos no uso dos recursos naturais, singelos em suas crenças que, aos poucos, se esvanecem, sufocadas pela "cultura" ocidental.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Depoimento de Manoel Bibiano, prefeito de Iguatama, MG

Charge na "Gazzeta do São Francisco"

Charge na "Gazzeta do São Francisco"
Despedida de Nêgo Dágua e a Carranca - Juazeiro, BA

Depoimento de Roberto Rocha, Lagoa da Prata, MG

Localidades Ribeirinhas

Vargem Bonita / MG

Ibotirama / BA

Hidrelétrica de Três Marias / MG

Morpará / BA

Pirapora / MG

Barra / BA

Ibiaí / MG

Xique-Xique / BA

Cachoeira do Manteiga / MG

Remanso / BA

Ponto Chique / MG

Santo Sé / BA

São Romão / MG

Sobradinho / BA

São Francisco / MG

Juazeiro / BA

Pedras de Maria da Cruz / MG

Petrolina / PE

Januária / MG

Cabrobó / PE

Itacarambi / MG

Hidrelétrica de Itaparica - PE / BA

Matias Cardoso / MG

Hidrelétrica de Paulo Afonso / BA

Manga / MG

Canindé de São Francisco / SE

Malhada / BA

Hidrelétrica de Xingó - AL / SE

Carinhanha / BA

Propriá / SE

Bom Jesus da Lapa / BA

Penedo / AL

Paratinga / BA

Piaçabuçu / AL

Depoimento de Dom Frei Luiz Cappio, Bispo de Barra, BA

Principais Afluentes

Rio Abaeté

Rio Pandeira

Rio Borrachudo

Rio Pará

Rio Carinhanha

Rio Paracatu

Rio Corrente

Rio Paramirim

Rio das Velhas

Rio Paraopeba

Rio Grande

Rio Pardo

Rio Indaiá

Rio São Pedro

Rio Jacaré

Rio Urucuia

Rio Pajeú

Rio Verde Grande

Entrevista à TV Sergipe, Aracaju

Postagens mais populares