sábado, 10 de outubro de 2009

Canoista já percorreu 1.200 km e chega à Bahia


Chegando hoje a Malhada/BA, João Carlos Figueiredo encontra carinhosa recepção de moradores, apoiados por Jojô, professora e líder comunitária, membro atuante da Comissão Pastoral da Terra e comprometida com a causa da revitalização do rio São Francisco.
Há cerca de 20 dias retomei minha jornada. Ao todo, excluindo-se o período de interrupção, foram 41 dias de viagem pelo rio São Francisco, cerca de 1.200 km percorridos e 1.100 km remados. Os livros nos dão a ilusão do conhecimento. Através deles, parece-nos que tudo se resume a datas, nomes, números e eventos isolados.


A realidade, porém, é outra. Há um interrelacionamento dos fatos, dos ambientes, das pessoas, que a literatura não consegue captar. Tudo faz parte de um mesmo universo, ainda que barreiras e rupturas não permitam nosso pleno entendimento dessa integração. A sistematização do conhecimento tem seu papel didático e de organização do saber para que nossas mentes limitadas consigam captar e compreender esse mundo.


Mas esse processo de síntese não pode reduzir tudo a fragmentos que venham a mascarar a verdade, ocultando informações relevantes e imprescindíveis ao entendimento. Falo do São Francisco. Existem descontinuidades naturais, como é o caso da passagem do rio pela Serra da Canastra e a ruptura provocada pela cachoeira Casca Danta. Repentinamente, o rio cai de forma brusca e passa a correr pelos vales, alternando curvas, remansos e corredeiras, até encontrar seu plano natural, depois de cerca de 100 km, a partir do qual terá uma declividade de 4cm/km.


Existem, também, as intervenções humanas, violentas como as barragens que represam milhões de tonelada de água, mudando as feições do rio e afetando profundamente sua hidrografia e vida interior. E existe, ainda, a presença humana, dependente do rio, segregada em comunidades ou esparsa ao longo de suas margens, ora vivendo inocentemente, ora transgredindo as leis da preservação da Natureza, ameaçando a vida.


Já passei por muitas regiões e pude constatar a maioria dos problemas descritos na literatura, debatidos publicamente, exibidos em documentários. Mas nada é mais cruel do que a própria realidade, e só quem percorre o rio lentamente como eu pode compreender a sua verdadeira dimensão. O rio São Francisco é um gigante. Ninguém poderia conceber a morte desse colosso, por maiores que sejam os maltratos a que ele está submetido.


No entanto, ainda estou na área de formação desse rio, recebendo os últimos tributários perenes que agigantam suas águas. E, no meio de seu curso, onde deveria ter a força da juventude, imensas áreas de assoreamento chegam quase à superfície pela metade de sua largura. De onde vem tanta areia? Algumas até se transformaram em ilhas, outras não...


É desse processo contínuo que eu falo. O homem destrói as matas; as águas fazem o resto, arrancando as terras dos barrancos e arrastando-as ao longo do rio. Essas se transformam em areia e se depositam no fundo, tornando o rio mais raso e mais largo. As águas, por consequência, se aquecem e evaporam com mais intensidade. Os peixes de águas profundas desaparecem...


A poluição provocada por esgotos urbanos, resíduos industriais e agrotóxicos fazem o resto, matando os peixes, que são cada vez menores, seja pela pesca predatória, seja pelas dificuldades crescentes para se reproduzir. Pode um rio gigante como o Velho Chico morrer? Talvez secar por completo seja difícil e leve anos demais para a efêmera existência humana.
Mas existem outras formas de se morrer. Perder a vitalidade, tornar-se imprestável para o consumo humano, deixar de abrigar a rica fauna que ainda subsiste em suas margens... formas talvez mais cruéis...


Pois o rio São Francisco está morrendo!


As matas descontínuas já não abrigam as grandes espécies de felinos, símios e tantos outros animais, como jacarés, raposas e pássaros que deixaram de fazer parte da diversidade biológica de suas margens. As matas de fachada, tristes cenários que ocultam a perversidade do pequeno e do grande produtor rural, apenas evidencia o descaso dos governos que não fazem cumprir as leis e não punem com rigor esses criminosos.


Ainda não senti o peso do semi-árido, das baixas pluviosidades das caatingas, e já percebo essas situações extremas. E o poder público, o que faz? Contra grandes problemas, pequenas soluções que se arrastam com a má vontade e a ignorância de quem não conhece a realidade do rio. Minha percepção é limitada ao curso do rio, às poucas comunidades que visitei, aos raros depoimentos que colhi. E, no entanto, já posso afirmar a extrema gravidade do quadro que encontrei.


O Progresso é inexorável, dizem os desenvolvimentistas, para quem tudo é permitido em nome da nova economia e do enriquecimento das elites. Mas seria essa a única via para o futuro da humanidade? Consumir todos os recursos naturais até exaurir o planeta, inviabilizando a vida na Terra?


Existem outros caminhos, que passam por um conceito mais sólido de responsabilidade social, compromisso com o meio ambiente e com a eliminação das desigualdades sociais.
Dizem que não existem castas em nosso país... seria verdade? E como explicar o inevitável destino reservado às populações menos favorecidas e mesmo na miséria absoluta???


A eles, casta inferior e desprezada, só resta se conformar com o futuro, acreditar na vida eterna e convencer seus filhos a não se rebelar contra as injustiças, o abuso do poder e a extrema arrogância de suas elites...

Um comentário:

Jojó disse...

Ei João! Você está de parabéns pela luta em defesa do Velho Chico!Foi muito bom ter te conhecido e encontrado mais um irmão que luta em defesa do mesmo objetivo:Salvar o nosso irmão Chico,vamos para aluta!!!Que Deus te abençoe...Jojô de Malhada- Bahia...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Depoimento de Manoel Bibiano, prefeito de Iguatama, MG

Charge na "Gazzeta do São Francisco"

Charge na "Gazzeta do São Francisco"
Despedida de Nêgo Dágua e a Carranca - Juazeiro, BA

Depoimento de Roberto Rocha, Lagoa da Prata, MG

Localidades Ribeirinhas

Vargem Bonita / MG

Ibotirama / BA

Hidrelétrica de Três Marias / MG

Morpará / BA

Pirapora / MG

Barra / BA

Ibiaí / MG

Xique-Xique / BA

Cachoeira do Manteiga / MG

Remanso / BA

Ponto Chique / MG

Santo Sé / BA

São Romão / MG

Sobradinho / BA

São Francisco / MG

Juazeiro / BA

Pedras de Maria da Cruz / MG

Petrolina / PE

Januária / MG

Cabrobó / PE

Itacarambi / MG

Hidrelétrica de Itaparica - PE / BA

Matias Cardoso / MG

Hidrelétrica de Paulo Afonso / BA

Manga / MG

Canindé de São Francisco / SE

Malhada / BA

Hidrelétrica de Xingó - AL / SE

Carinhanha / BA

Propriá / SE

Bom Jesus da Lapa / BA

Penedo / AL

Paratinga / BA

Piaçabuçu / AL

Depoimento de Dom Frei Luiz Cappio, Bispo de Barra, BA

Principais Afluentes

Rio Abaeté

Rio Pandeira

Rio Borrachudo

Rio Pará

Rio Carinhanha

Rio Paracatu

Rio Corrente

Rio Paramirim

Rio das Velhas

Rio Paraopeba

Rio Grande

Rio Pardo

Rio Indaiá

Rio São Pedro

Rio Jacaré

Rio Urucuia

Rio Pajeú

Rio Verde Grande

Entrevista à TV Sergipe, Aracaju

Postagens mais populares